sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Reunião na SPTrans vai discutir possibilidade de ampliação de serviços de trólebus

13/11/2015 - Blog Ponto de Ônibus

Em meio às expectativas sobre a licitação que vai remodelar os serviços de ônibus pelos próximos 20 anos, suspensa temporariamente pelo TCM- Tribunal de Contas do Município, uma das dúvidas é em relação sobre como ficará o transporte limpo na cidade de São Paulo.

A Lei de Mudanças Climáticas, criada em 2009, prevê que até 2018 nenhum ônibus da Capital Paulista seja movido exclusivamente a combustíveis fósseis.

No entanto, a chamada Ecofrota, com ônibus elétricos a bateria, elétricos híbridos, trólebus, ônibus a etanol e outros biocombustíveis, é de apenas 656 veículos entre os 14 mil 878 existentes na cidade de São Paulo.

O próprio secretário Municipal de Transportes, Jilmar Tatto, disse neste ano que seria impossível o cumprimento da meta. Nos três editais de licitação da capital paulista, não há um cronograma para ampliar o número de ônibus elétricos ou de outras fontes menos poluentes.

Nesta sexta-feira, 13 de novembro de 2015, o Grupo Respira São Paulo vai se reunir com a diretoria de planejamento da SPTrans, gerenciadora dos transportes da cidade, para discutir propostas que o grupo enviou durante a fase de consulta pública dos editais de licitação.

De acordo com Jorge Françozo de Moraes, um dos responsáveis pelo movimento, apenas a criação de uma linha foi atendida: a 309 e Penha – Parque Dom Pedro.

O edital de licitação do grupo estrutural prevê a ampliação de apenas 36 ônibus elétricos.

Movimentos em prol da sustentabilidade acham insuficiente esta ampliação.

Segundo o documento que será apresentado para a SPTrans, ao qual o Blog Ponto de Ônibus teve acesso, a rede hoje existente na cidade de São Paulo é subaproveitada. Um exemplo é a região da Avenida Celso Garcia. O estudo mostra que com a atual tecnologia dos trólebus, que consomem menos energia, há possibilidade de ampliar a frota sem sobrecarregar a rede aérea de abastecimento destas vias, aproveitando a atual estrutura.

Adamo Bazani, jornalista especializado em transportes



Acompanhe as sugestões do movimento Respira São Paulo para os trólebus na capital paulista:

CONCESSÃO DE LINHAS DE ÔNIBUS – REVITALIZAÇÃO DO SISTEMA TRÓLEBUS

No atual processo de Licitação da Concessão de linhas de ônibus da capital não está contemplado o teor da Lei Municipal de Mudanças Climáticas nº 14.933 de 05 de junho de 2009, que obriga o poder público a substituir em 100% até 2018 os combustíveis fosseis consumidos por ônibus no transporte de passageiros por outros combustíveis não fósseis com menores índices de emissões, como a tração elétrica por exemplo.

Com base neste fato, o Movimento Respira São Paulo vem reivindicar o aumento da frota, a criação de linhas e reativação de outras linhas de trólebus, aproveitando o processo de transição da concessão das linhas, de acordo com os itens que se seguem.

As sugestões sobre o incremento do Sistema Trólebus são imperativas, devido à situação de subutilização de trechos da rede e da própria garagem, independente da colaboração que irá proporcionar na aplicação da lei mencionada.

1)      Corredor Celso Garcia

·         Manter a frota de trólebus na linha existente 2290-10 – São Mateus – Terminal Parque Dom Pedro II, via Praça da República.

·         Já está prevista a criação de linha de reforço com 5 trólebus, com ligação direta para Terminal Parque Dom Pedro II, sem fazer o trajeto na rótula central.

·         Substituição dos ônibus diesel da linha 309E -10 –  Terminal Parque Dom Pedro II – Terminal Penha por trólebus, pelo fato desta linha operar em 100% do itinerário ao longo da rede elétrica existente. Esta linha já foi operada por trólebus no passado. Este trajeto poderá ter a frota de trólebus reforçada com a substituição de ônibus diesel de outras linhas que se sobrepõe ao itinerário provido de rede aérea, ao longo de todo o corredor, aumentando a participação da tração elétrica no corredor. O índice de trólebus por quilometro poderá ser duplicado em relação ao índice atual.

Esta solicitação está embasada no fato da potencia elétrica existente na rede de alimentação de Corrente Contínua no corredor estar, atualmente, subutilizada, com 50% de folga, conforme demonstrado nos quadros a seguir.

Em 2002 havia 5 linhas de trólebus operando neste corredor, consumindo cerca de 70% da potência instalada disponível.

ms-1
ms-2
Atualmente, as duas linhas que operam no trecho, com os novos trólebus dotados de motor de corrente alternada, consomem 50% da potencia total instalada.

ms-3


2)            Corredor Vila Prudente – Centro.

·         Incrementar a frota da linha atual 3160-10 – Vila Prudente – Centro, alterando o itinerário na área central através das Ruas Boa Vista, Libero Badaró e Benjamin Constant, visando a requalificação desta linha perante seus usuários.

·         Criação de nova linha de trólebus Vila Prudente – Brás/Bresser, através do Viaduto e Rua Bresser, conforme previsão de extensão do corredor, contemplada nos planos descritos no atual Edital.

·         Estender a rede elétrica em cerca de 800 metros do atual terminal Vila Prudente até o novo Terminal de ônibus, na interligação das linhas do Metro e do Monotrilho.

·         Com estas ações, este corredor deverá ser operado, predominantemente, por trólebus, eliminado a operação de ônibus diesel.

3)            Linha 408-A – Machado de Assis – Cardoso de Almeida.

·         Estender a rede elétrica em cerca de 1 km, a partir da Rua Machado de Assis até a Estação Ana Rosa do Metro, pela própria Rua até atingir a Rua Vergueiro, acesso à estação. A volta seria feita pela Rua Dr. José de Queiroz Aranha e o retorno à Rua Machado de Assis poderá ser feito pelas Ruas Gregório Serrão ou Gaspar Lourenço. Estas últimas ruas poderão ser desprovidas de rede elétrica, os trólebus utilizarão as baterias na operação e a extensão da rede irá se restringir na Subida da Rua Machado de Assis e o trecho na Rua Vergueiro.

·         Estender a rede elétrica em cerca de 2 km, a partir da Rua Cardoso de Almeida até as proximidades da PUC, beneficiando os alunos daquela instituição nos períodos letivos. O retorno ao longo de quarteirão próximo à Universidade poderá ser desprovido de rede aérea e os trólebus utilizarão as baterias na operação.

4)            Linha 2101-10 – Silvio Romero – Praça de Sé.

·         Recuperar a rede elétrica deste ramal, conforme incluso no Edital de Modernização da Rede, tornando possível o retorno dos trólebus nesta linha.

5)            Linha 9300-10 – Terminal Casa Verde – Terminal Bandeira.

Recuperar a rede elétrica deste ramal, conforme incluso no Edital de Modernização da Rede, tornando possível o retorno dos trólebus nesta linha.

A frota adicional provável é discriminada no quadro a seguir.

ms-4
A lotação desta frota adicional seria absorvida naturalmente pela Garagem Tatuapé que também tem capacidade ociosa.  No passado, esta garagem chegou a abrigar mais de 350 trólebus de 12 metros e atualmente a capacidade de aumento da frota de trólebus de 15 metros poderá alcançar 90 veículos adicionais.

Nenhum comentário:

Postar um comentário