domingo, 3 de fevereiro de 2013

Belo Horizonte - Galeria

Modelo Twin-Coach

Modelo Twin-Coach
 

Modelo Marmonn Herrington
 

Praça Raul Soares no dia da inauguração da primeira linha de trólebus em 30/05/1953.
 


Desembarque dos primeiros trólebus Marmonn Herrington no porto do Rio de Janeiro em 1959, sendo que metade da frota (25) ficou retida no cemitério de veículos do porto até setembro de 1960 por falta de verba para o pagamento de taxas, impostos e frete.


Trólebus modelo Marmonn Herrington detidos no porto do Rio de Janeiro

 

Mesmo com eletrificação entre Diadema e Jabaquara, poucos ônibus elétricos circulam no trecho

24/01/2013 - Via Trólebus

Após décadas de espera e promessas, a EMTU estendeu a rede dos ônibus elétricos para o Terminal Jabaquara. A obra foi iniciada em novembro de 2009, ao custo de R$ 21 milhões.
Entretanto recebemos muitos questionamentos sobre a pouco utilização de veículos desta tecnologia no trecho entre Piraporinha e Jabaquara. Fomos conferir em um final de semana de Janeiro, e em um domingo apenas 3 veículos elétricos prestavam serviço. Fizemos a mesma pergunta: Se foram gastos 21 milhões, por que a pouca utilização dos trólebus?
De acordo com a Metra, empresa que opera o corredor, atualmente 15 veículos elétricos operam no trecho Piraporinha-Jabaquara nos dias úteis e nos próximos meses novos veículos serão incorporados a frota: "está em processo de aquisição novos trólebus que serão implementados gradativamente ao longo de 2013. A partir de março/2013 começaremos a receber os primeiros veículos adquiridos de um lote de 20 no total" – diz a assessoria da empresa. Tratam-se de 20 trólebus articulados com marcha autônoma.
A Metra também está convertendo alguns veículos a diesel em trólebus, ampliando a oferta de veículos não poluentes.
Por mês, 6 milhões de passageiros utilizam o serviço. O sistema liga os bairros de São Matheus e Jabaquara, na Capital, passando por Santo André, São Bernardo, Diadema e Mauá. Atualmente, o trólebus estão em maior número no segmento entre São Mateus e Piraporinha, que possui 22 quilômetros. Ainda assim, os veículos a diesel são maioria em todo o corredor.

Prefeitura inicia modernização do segundo trecho da rede de trólebus

30/01/2013 - Via Trólebus

Consórcio Via Aérea, responsável pela manutenção e reforma da rede elétrica dos trólebus na cidade de São Paulo, deve iniciar nesta madrugada de quarta para a quinta, a reforma dos cabos elétricos no segundo trecho, entre o Terminal Carrão, e a Rua Cantagalo, via de acesso para a GTA (Garagem do Tatuapé). Meses atrás a antiga empresa Façon, que faliu e consequentemente descredenciada pela SPtrans, reformou o primeiro trecho entre o Terminal São Mateus e o Terminal Carrão.
A previsão de término será em 18 de fevereiro. Aos finais de semana os trabalhos serão das 23h30 às 3h30 e das 23h30 às 11h 00 (nos dias 02,09,11 e 16 de fevereiro) os trólebus das linhas 2290/10 Terminal São Mateus- Terminal Parque Dom Pedro II, 342M/10 Terminal São Mateus – Penha serão substituídos por veículos à diesel. A linha 2291/10 Terminal São Mateus – Praça da República por ser uma linha noturna vai operar com veículos diesel.
A reforma, prevista em contrato deve ser feita em quase toda a extensão da malha de trólebus, sendo que os fios de contato devem ser substituídos, e os tirantes que sustentam as redes trocados por cabos flexíveis. Com a modernização, os trólebus ganham agilidade na operação e aumento na velocidade.
No caso da Avenida Rio das Pedras, o pavimento asfáltico foi recentemente recapeado, resultando em uma ótima operação dos ônibus elétricos. Isto mostra que o novos veículos e nova rede aérea contribuem, mas o piso é essencial para um bom funcionamentos destes veículos, que não agridem o meio ambiente.

Por Renato Lobo

Novos trólebus de 15 metros são incorporados a frota paulistana

30/01/2013 - Via Trólebus

Nesta semana novos trólebus foram incorporados a frota paulistana. Agora além da linha 4113 (Gentil de Moura – Pça da República), os novos ônibus elétricos de 15 metros estão presentes nas linhas 2290 (Term. São Mateus – Term. Pq. Dom Pedro II), 3160 (Term. Vila Prudente – Term. Pq. Dom Pedro II) e na 2100 (Term. Vila Carrão – Pça da Sé).

Com isto, aos poucos os antigos trólebus Marcopolo Torino GV estão sendo descartados (conforme noticiamos).
Cerca de 30 veículos do lote de 50 trólebus já estão no sistema. Ainda não esta confirmada oficialmente a compra dos outros 50 ônibus elétricos de 15 metros, mesmo que a Scania tenha confirmado os 101 chassis vendidos para a Ambiental Transportes. Existem rumores de que estão sendo negociados estes 50 trólebus com baterias de autonomia, nas mesmas configurações do veículo 4 1506, mas sem nenhuma confirmação oficial.

Ambiental Transportes retira de circulação últimos trólebus formados

30/01/2013 - Via Trólebus

De manha ainda constava no sistema da SPTrans, apesar de já sabermos que os últimos Scanias trólebus comprados entre 1979 e 1983, foram baixados do sistema. Agora de tarde (30) confirmou a baixa dos 3 primeiros trólebus Powertronics (série 79) comprados em 1996 que são relativamente novos.
É o fim de uma era de guerreiros que lutaram anos e anos sem manutenção adequada e que poderiam rodar anos e anos ainda. A atual politica de compra, usa, não cuida, joga fora e compra novo só interessa a políticos e empresários que lucram fazendo negócios com a renovação antecipada. Quem paga é a população através de pesados subsídios e tarifas cada vez maiores e desincentivadores do uso do transporte coletivo.
Essa é a verdade que deve ser mostrada e escancarada para que no futuro cenas como essa não se repita. Veículos que podem se tornar sucata ou em outro operador privado atento com as oportunidades e mais uma vez ganha em cima da população.

Por Ricardo Salzano